MINICURSOS

Temas previstos (a confirmar)


Minicursos III Congresso Internacional RESAG 2017 -  11 E 12 DE SETEMBRO DE 2017

SALA 1 – MINICURSOS – TÉCNICOS

Dia 11 de setembro de 2017

08h30
     -    
12h30

Qualidade de medidas eletroanalíticas:
          - pH- Rastreabilidade e balanço de incertezas e Condutividade
          - Comparação de resultados
Dra.Maria Filomena Camões - Professora
Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa – Portugal
Carga horária: 4 horas

Currículo resumido do instrutor:
Maria Filomena Camões 
Maria Filomena Camões é Licenciada em Ciências Físico-Químicas pela Universidade de Lisboa, Portugal, obteve o seu Doutoramento em Química Física pela Universidade de Newcastle-upon-Tyne, UK, e a  Agregação em Química Analítica pela Universidade de Lisboa. Aposentada em 2015 da carreira docente universitária, é coordenadora do grupo de investigação “Biogeoquímica Ambiental” do Centro de Química Estrutural-Ciências (CQE@Ciencias).  A sua carreira científica iniciou-se com  a publicação do artigo "Enthalpy of Ionization of Water from Electro-motive Force Measurements", Journal of the Chemical Society, Faraday Transactions I 69 (1973) 949,  e com o Projecto de Doutoramento em “Calibration Procedures for Glass Electrodes”.  O primeiro, na área da Química-Física da água, o segundo abordando aspectos de índole analítica, designadamente a medição de acidez de soluções aquosas. Esta curiosa associação terá ditado uma carreira académica intensa que ligou ensino e investigação em campos como Química Electroanalítica e Ambiental, Metrologia Química e, mais especificamente, Medição de pH, em que lidera.
Desde 2000 tem concentrado os seus estudos em sistemas químicos de elevada complexidade, como sejam, partículas atmosféricas de origens marinha e urbana, e águas de elevada salinidade, para as quais desenvolveu estratégias analíticas inovadoras.  Nesta qualidade foi-lhe  atribuída recentemente uma Bolsa Europeia de Investigação de Excelência sobre Abordagem Metrológica da Acidez de Água Oceânica e ocupou cargos da maior representatividade, como sejam, Presidente da Divisão de Química Analítica da IUPAC; Presidente da Eurachem e Presidente da Sociedade Portuguesa de Química.

Ementa
O facto de a água ser, na generalidade, um bom solvente de substâncias eletrolíticas, fortes e fracas, faz dela um meio iónico de alguma complexidade, com expressão na respectiva condutividade eléctrica. Entre os iões presentes em solução, os hidrogeniões, H+, são reconhecidamente da maior relevância, quer pela acidez livre que lhe conferem (avaliada pela medição de pH), quer pela participação na multiplicidade de equilíbrios químicos simultâneos possíveis, que condiciona as concentrações das espécies neles intervenientes. Sendo este conhecimento centenário, se por um lado há um profundo conhecimento científico e técnico, por outro há um desafio continuado, fruto de questões emergentes que se têm vindo a colocar e das consequentes investigações em curso.
 A aparente simplicidade das medições de pH e de condutividade eléctrica leva muitas vezes os utilizadores a negligenciar importantes aspectos teóricos e práticos, correndo riscos de retirar qualidade aos valores medidos. Sendo também pH o parâmetro químico mais medido, introduzido desde os níveis básicos de escolaridade, este curso foi pensado em todo o tipo de utilizadores, desde medições de rotina, passando pelos estudantes e investigadores de vários níveis, laboratórios de produção de materiais de referência para calibração de equipamentos de medida, até aos Institutos Nacionais de Metrologia a quem compete garantir o rigor e a exatidão das medições realizadas, assegurando a comparabilidade e rastreabilidade dos valores medidos, a nível nacional e internacional.
É objetivo geral a revisão e atualização da formação nos aspectos fundamentais associados à medição dos parâmetros.
Serão cobertos os seguintes tópicos:

  • pH

- Percurso desde a criação do conceito de pH por Sørensen, em 1909, até à atualidade, assinalando os desenvolvimentos científicos e técnicos mais relevantes,
- Cadeias de rastreabilidade metrológica com as incertezas-alvo associadas às várias etapas com reflexo na incerteza total dos valores medidos,
 - Exemplos de situações que evidenciam a necessidade de resultados analíticos de qualidade adequada,
- Recomendação de procedimentos assentes na observância dos princípios químicos e metrológicos, de forma a garantir a comparabilidade de valores no tempo e no espaço.

  • Condutividade eléctrica

- A condutividade como parâmetro analítico,
-Introdução de aspectos fundamentais inerentes à medição,
- Exploração de exemplos de aplicações,
- Resultados de comparações interlaboratoriais.

13h30
-
17h30

Garantia da Qualidade em Medições: Conceitos chave, Acreditação, Rastreabilidade e Incerteza em Medições Químicas

Dra. Laly Samuel– Ex-Presidente
Cooperation on International Traceability in Analytical Chemistry – Nova Zelândia
Carga horária: 4 horas

Objetivos:
Muitas decisões são baseadas nos resultados da análise química quantitativa. O objetivo dos programas de garantia de qualidade é reduzir os erros de medição e fornecer um meio de garantir que as medições geradas têm alta probabilidade de aceitação. A ISO/IEC 17025 é a norma mais importante para garantia de qualidade em laboratórios de análise. As medições executadas em diferentes laboratórios devem ser comparáveis, e é necessário estabelecer rastreabilidade para normas comuns através de métodos validados e expressar uma declaração de incerteza.

Ementa:
Este curso com duração de meio dia permite que os participantes entendam a respeito de:

  • Medidas de garantia de qualidade em medições analíticas
  • Requisitos da ISO/IEC 17025 em relação à rastreabilidade e incerteza
  • Entender os princípios envolvidos na incerteza de medição
  • Elementos relativos à rastreabilidade e incerteza (Introdução ao GUM - “Guia para Expressão da Incerteza na Medição”)
  • Fontes de incerteza
  • Estatística usada em cálculos de incerteza
  • Rastreabilidade
  • Relatório dos resultados ao cliente

Currículo resumido do instrutor:

Laly Samuel
Laly Samuel é ex-presidente imediata da CITAC e trabalhou como chefe de Metrologia em Química e Biologia no Measurement Standards Laboratory (MSL) da Nova Zelândia. Possui mestrado e doutorado em Química e tem mais de 25 anos de experiência  em diversos campos químicos e biológicos. Após concluir seu doutorado, ingressou na Rikkyo St. Pauls University em Tóquio como pesquisadora pós-doutorado e depois trabalhou para várias organizações dentro do Japão, incluindo o laboratório de pesquisa e desenvolvimento da Nippon Sanso Corporation (Japan Oxygen Ltd), National Research Institute for Agro-biological Resources e National Institute of Materials and Chemicals Research (NIMC), antes de entrar no MSL da Nova Zelândia em 2002 para liderar o programa de Metrologia em Química. Também é membro do Comitê Consultivo Profissional para Testes em Produtos Químicos, Biológicos e Lácteos para Credenciamento Internacional da Nova Zelândia (International Accreditation New Zealand Chemical, Biological and Dairy Testing Professional Advisory Committee) e participante de diversos comitês ISO. Seu amplo histórico de pesquisas inclui mais de 100 publicações e apresentações em seu nome.

Dia 12 de Setembro de 2017

08h30
     -    
12h30

 

 

 

 

13h30
-

 17h30

Abordagens atuais da incerteza de medição e rastreabilidade como derivadas dos dados de validação
Dr. Wolfhard Wegscheider – General and Analytical Chemistry - University of Leoben – Áustria
Carga horária: 8 horas

ATENÇĂO: PARA PARTICIPAR DESSE TREINAMENTO É OBRIGATÓRIO O USO DE NOTEBOOK, CADA PARTICIPANTE DEVERÁ LEVAR O SEU, A ORGANIZAÇĂO NĂO DISPONIBILIZARÁ ESSE EQUIPAMENTO.

Objetivos
Criar um plano de validação que possa apoiar a estimativa de incerteza de acordo com documentos internacionais, tanto para métodos padrões como para métodos internos de análise (in house).

Os participantes elaboram um exemplo de sua própria experiência/laboratório (Os participantes devem fornecer informações/procedimento operacional padrão em um método de sua escolha)

Programa:
Objetivo da validação e da estimativa de incerteza de medição
Várias instâncias de validação e verificação
As diferenças entre incerteza e erro
Incerteza e tomada de decisão
Padrões e orientações para a estimativa de incerteza
Incerteza do processo de amostragem

O papel de um procedimento operacional padrão escrito na estimativa da incerteza
As diferentes abordagens para a estimativa de incerteza: derivadas parciais, diferenças, simulação Monte Carlo
Contribuições correlatas para a incerteza e como lidar com elas
Informações provenientes das diferentes abordagens e limitações das mesmas
Exercícios e exemplos de trabalho (práticos), incluindo procedimentos operacionais padrões fornecidos pelos participantes.

Currículo resumido do instrutor:
Wolfhard Wegscheider  é professor de Química Geral e Analítica da Montanuniversitaet Leoben, Áustria.  Recebeu sua formação educacional na Graz University of Technology,  cursando Química Técnica com especialização em Bioquímica e Química de Alimentos. Sua tese de mestrado e tese de doutorado foram em Química Analítica com ênfase sobre análise de traços e análise ambiental.  Como bolsista da Fundação Fulbright, trabalhou em Denver, CO, principalmente em espectrometria de fluorescência de raios-X dispersiva de energias.  A maior parte de suas pesquisas está concentrada no desenvolvimento de procedimentos quimiométricos para problemas químicos analíticos. É coautor do livro didático sobre Química Analítica representando o curriculum DAC FECS e membro do conselho editorial e colaborador da Enciclopédia de Ciências Analíticas Academic Press). Wolfhard Wegscheider é membro de diversas sociedades acadêmicas, como GDCh, GOECh, Co-operation on International Traceability in Analytical Chemistry (CITAC) e EURACHEM, onde também é membro fundador do Grupo de Trabalho sobre Educação e Treinamento (Working Group on Education and Training), do Grupo de Trabalho sobre Incertezas de Medição e Rastreabilidade (Working Group on Measurement Uncertainty and Traceability).  Tanto na EURACHEM como na CITAC, ele também atuou como Presidente.  Depois de ter sido presidente, atualmente é membro do Conselho de Diretores da Austrian Society of Analytical Chemistry – ASAC. Em 2010, foi nomeado membro do International Union of Pure and Applied Chemistry (IUPAC).
Consultor do Ministério Federal de Agricultura, Administração Florestal, Meio Ambiente e Gestão de Águas da Áustria, é auditor-chefe do Austrian Accreditation of Laboratories System e Consultor Editorial de revistas como MIKROCHIMICA ACTA, SPECTROCHIMICA ACTA ELECTRONICA, CHEMOMETRICS AND INTELLIGENT LABORATORY SYSTEMS e ACCREDITATION AND ANALYTICAL QUALITY ASSURANCE.
De 1995 a 2001 atuou como Pró-reitor de Pós-graduação da Montanuniversitaet Leoben, e de 2003 a 2011 como Reitor (Presidente) dessa instituição. Atualmente é presidente do Conselho Diretor da OeAD GmbH, o órgão austríaco para cooperação internacional em educação e pesquisa. Wolfhard Wegscheider é membro do Comitê Estatístico da AOAC International para o período de 2016 a 2019.

SALA 2 – MINICURSOS – RECURSOS HÍDRICOS

Dia 11 de Setembro de 2017

08h30
     -    
12h30

Regularização do Uso de Recursos Hídricos – Outorga
Heitor Soares Moreira
Jeane Dantas de Carvalho
Instituto Mineiro de Gestão das Águas – IGAM
Carga horária: 4 horas

Ementa:

  • Questões preliminares básicas
  • Conceitos básicos de hidrologia aplicada
  • Conceitos básicos de hidráulica aplicada
  • Arcabouço Legal
  • Outorga
  • Usos não outorgáveis
  • Procedimentos administrativos para obtenção da outorga
  • Mapeamento do processo administrativo no requerimento de outorga no estado de Minas Gerais
  • Procedimento administrativo para obtenção do cadastro do uso insignificante

 

Currículo resumido dos instrutores:
Heitor Soares Moreira -  http://lattes.cnpq.br/9995436355151302
Mestrando em Tecnologias e Inovações Ambientais - UFLA; Pós-graduado (Latu Sensu) em Recursos Hídricos e Ambientais pela – UFMG e em Fontes Alternativas de Energia – UFLA; MBA – Administração de Projetos com Ênfase em Gestão Ambiental Empresarial – IETEC; Graduado em Engenharia Ambiental – UFV; Especialista em Gestão de Recursos Hídricos – UFSC/UFAL; e em Licenciamento de Estações de Tratamento de Esgotos e Aterros Sanitários – MMA. Atualmente é diretor de Operações e Eventos Críticos do IGAM, experiência de um ano como Superintendente de Fiscalização Ambiental Integrada da SEMAD, experiência de quatro anos como diretor da Diretoria de Estratégia em Fiscalização/SEMAD, experiência de cinco anos como Analista Ambiental do Instituto Mineiro de Gestão das Águas – IGAM, com atuações nas áreas de outorga, fiscalização, monitoramento e apoio aos comitês de bacia hidrográfica; Professor de curso técnico em Meio Ambiente. Professor do curso Engenharia Civil das faculdades Kennedy. Professor do Curso de Engenharia Ambiental do Centro Universitário UNA. Professor convidado no curso de Pós-graduação em Auditoria, Perícia e Gestão Ambiental da Faculdade Redentor.

Jeane Dantas de Carvalho - http://lattes.cnpq.br/7376821846760434
Engenheira Agrônoma. Pós-Graduada (Latu Sensu) em Horticultura pela Universidade Federal Rural da Amazônia. Foi Gerente de Apoio a Regularização Ambiental do Instituto Mineiro de Gestão das Águas sendo responsável pelas outorgas de direito de uso das águas no estado de Minas, atuou por 3 anos como Diretora de Pesquisa, Desenvolvimento e Monitoramento das Águas desse Instituto, foi coordenadora estadual do Programa Água Doce durante 4 anos, ministra curso de Outorga de Uso da Água pelo Instituto de Educação e Tecnologia - Ietec  e atualmente é Gerente de Monitoramento Hidrometeológico e Eventos Críticos, sendo responsável pelo Sistema de Meteorologia e Recursos Hídricos – SIMGE , Sala de Situação de Eventos Críticos, pelos estudos, pesquisas, projetos e programas voltados para a preservação da quantidade das águas Estado de Minas Gerais.

13h30
-

17h30

Disponibilidade e demanda hídrica – Águas superficiais e subterrâneas
Heitor Soares Moreira
Jeane Dantas de Carvalho
Instituto Mineiro de Gestão das Águas – IGAM
Carga horária: 4 horas

Ementa:

  • Ciclo Hidrológico
  • Bacia Hidrográfica
  • Arcabouço Legal
  • Monitoramento de água superficial
  • Monitoramento de água subterrâneo
  • Vazões de Referência
  • Regionalização de Vazões
  • Mapa Hidrogeológico
  • Demanda hídrica

Currículo resumido dos instrutores:
Heitor Soares Moreira -  http://lattes.cnpq.br/9995436355151302
Mestrando em Tecnologias e Inovações Ambientais - UFLA; Pós-graduado (Latu Sensu) em Recursos Hídricos e Ambientais pela – UFMG e em Fontes Alternativas de Energia – UFLA; MBA – Administração de Projetos com Ênfase em Gestão Ambiental Empresarial – IETEC; Graduado em Engenharia Ambiental – UFV; Especialista em Gestão de Recursos Hídricos – UFSC/UFAL; e em Licenciamento de Estações de Tratamento de Esgotos e Aterros Sanitários – MMA. Atualmente é diretor de Operações e Eventos Críticos do IGAM, experiência de um ano como Superintendente de Fiscalização Ambiental Integrada da SEMAD, experiência de quatro anos como diretor da Diretoria de Estratégia em Fiscalização/SEMAD, experiência de cinco anos como Analista Ambiental do Instituto Mineiro de Gestão das Águas – IGAM, com atuações nas áreas de outorga, fiscalização, monitoramento e apoio aos comitês de bacia hidrográfica; Professor de curso técnico em Meio Ambiente. Professor do curso Engenharia Civil das faculdades Kennedy. Professor do Curso de Engenharia Ambiental do Centro Universitário UNA. Professor convidado no curso de Pós-graduação em Auditoria, Perícia e Gestão Ambiental da Faculdade Redentor.

Jeane Dantas de Carvalho - http://lattes.cnpq.br/7376821846760434
Engenheira Agrônoma. Pós-Graduada (Latu Sensu) em Horticultura pela Universidade Federal Rural da Amazônia. Foi Gerente de Apoio a Regularização Ambiental do Instituto Mineiro de Gestão das Águas sendo responsável pelas outorgas de direito de uso das águas no estado de Minas, atuou por 3 anos como Diretora de Pesquisa, Desenvolvimento e Monitoramento das Águas desse Instituto, foi coordenadora estadual do Programa Água Doce durante 4 anos, ministra curso de Outorga de Uso da Água pelo Instituto de Educação e Tecnologia - Ietec  e atualmente é Gerente de Monitoramento Hidrometeológico e Eventos Críticos, sendo responsável pelo Sistema de Meteorologia e Recursos Hídricos – SIMGE , Sala de Situação de Eventos Críticos, pelos estudos, pesquisas, projetos e programas voltados para a preservação da quantidade das águas Estado de Minas Gerais.

Dia 12 de Setembro de 2017

08h30
     -    
12h30

Monitoramento e Avaliação da Qualidade da Água em Bacias Hidrográficas
Dra. Zenilde das Graças Guimarães Viola - Pesquisadora em Tecnologia - Instituto SENAI de Tecnologia em Meio Ambiente
Katiane Cristina de Brito Almeida - Gerente de Monitoramento da Qualidade das Águas -  Instituto Mineiro de Gestão das Águas - IGAM
Carga horária: 4 horas

Objetivo: Promover o conhecimento sobre conceitos e ferramentas de monitoramento de qualidade da água em atendimento à Política Nacional de Recursos Hídricos e demais normas legais sobre o tema.

Ementa:

  • Características químicas e biológicas das águas superficiais e processos naturais e sua relação com as principais fontes de poluição;
  • Implementação de programas de monitoramento da qualidade da água;
  • Enquadramento, padrões e indicadores de qualidade da água;
  • Avaliação e tratamento de dados de qualidade em águas superficiais e subterrâneas;
  • Importância da qualidade metrológica dos dados;
  • Exemplos e aplicações utilizando banco de dados de qualidade das águas no Estado de Minas Gerais.

Currículo resumido dos instrutores:
Dra. Zenilde das Graças Guimarães Viola
Bacharel em Química, mestre em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos e doutora em Ecologia, Conservação e Manejo da Vida Silvestre pela Universidade Federal de Minas Gerais. Como analista ambiental do Instituto Mineiro de Gestão da Águas - IGAM, trabalhou no Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos de MG – SISEMA no período de 2001 a 2014, exercendo os cargos de coordenadora do Projeto Águas de Minas e Gerente de Monitoramento e Geoprocessamento do IGAM, e como Diretora de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais e Eventos Críticos, Diretora de Prevenção e Emergência Ambiental e Superintendente de Controle e Emergência Ambiental da Secretaria de Estado de Meio Ambiente - SEMAD. Desde outubro de 2014 é Pesquisadora em Tecnologia do Instituto SENAI de Tecnologia em Meio Ambiente atuando como responsável técnica e gestora dos laboratórios de
Katiane Cristina de Brito Almeida
Bióloga, mestre em Meio Ambiente, Saneamento e Recursos Hídricos pela Escola de Engenharia da UFMG. Analista ambiental do IGAM desde 2002 foi coordenadora do Projeto Águas de Minas de 2012 a 2014 e atualmente é gerente de monitoramento da qualidade das águas no Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Belo Horizonte/MG). Tem experiência na área de monitoramento ambiental com ênfase em recursos hídricos, atuando principalmente nos seguintes temas: monitoramento da qualidade de água, química ambiental, tratamento estatístico de dados ambientais e limnologia.

SALA 3 – MINICURSOS – MPMEs

Dia 11 de Setembro de 2017

08h30

     -    

12h30

Oficinas tecnológicas:

Boas Práticas para a Redução do Desperdício de Água

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – Sebrae

13h30     -

17h30

Gestão da Inovação        

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – Sebrae

Carga horária: 8 horas

Dia 12 de Setembro de 2017

08h30

  -    

12h30

13h30

  -    

17h30

Elaboração e monitoramento de plano de negócios em Micro, Pequena e Média Empresa - MPMEs - (A CONFIRMAR)

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – Sebrae

Carga horária: 8 horas